Antes de me ensinar a escrever…

Antes de me ensinar a escrever…

Antes de me ensinar a escrever…

(Para todos pedagogos (as), professores (as) e psicopedagogos (as) de crianças com autismo)

Mesmo que eu já esteja em uma idade para ser alfabetizado e que meus pais estejam cobrando isso, é fundamental que eu esteja calmo e atento ao mundo, antes de aprender qualquer coisa. Se eu já consigo fazer isso, e nós já construímos um vínculo afetivo: ótimo! Então, repare primeiro no meu olhar.
Se eu ainda não consigo dividir minha atenção com você, que tal se a gente começar por aí antes que eu pegue em um lápis? Você pode tentar atrair minha atenção com coisas pelas quais me interesso, pode ser um personagem de desenho que eu gosto, personagem de filme, um livro, músicas, brinquedos, etc. Quando eu já tiver compartilhando minha atenção com você, irei adorar fazer atividades, de acordo com o nível de desenvolvimento em que eu me encontro, com meus personagens preferidos. Pergunta pra minha mãe, se você não souber.
Caso eu ainda não esteja nesse nível, não vamos pular etapas, tá? Porque isso pode me atrapalhar e fazer com que eu crie uma certa aversão ao lápis, e eu não quero isso, quero aprender a escrever como meus coleguinhas. Podemos rasgar papéis, fazer atividades de colagens, com velcro, com tintas, etc.
Por favor, você pode reparar se na minha sala de aula tem muitos estímulos sensoriais que me atrapalham? Às vezes está muito barulho e eu não consigo dar conta, por isso ponho as mãos nos meus ouvidos e fico no canto da sala. Teve até uma vez em que eu mordi meu colega porque uma criança gritou de repente muito forte do meu lado e eu me assustei, foi tão rápido que eu não consegui processar a informação e reagi dessa forma.
Se você reparar que não consigo ficar sentado, o que você acha de começarmos a fazer atividades na parede antes de ir pra mesa? Você pode colocar um papel que forre a parede e juntos poderemos nos divertir com uma atividade direcionada em pé usando carvão ou giz, por exemplo, tem tantas coisas que podemos fazer! Acho que seria muito legal e você veria que, com a proposta adequada, eu consigo fazer várias coisas. Ah! Podemos juntos fazer atividades com outros materiais também que sejam legais, antes que eu pegue logo no lápis… poderíamos furar o isopor com palitinhos de picolé, por exemplo, seria super legal e trabalharia a coordenação motora fina também. Daí, quando eu já tiver conseguindo fazer a famosa “pinça”, acho que podemos ir pra próxima etapa: aprender a escrever.
Se por acaso, depois de várias atividades que fizermos juntos você perceber que eu tenho um comprometimento com a coordenação motora fina, o que me impossibilita de fazer a “pinça” e escrever, não vamos desistir, por favor! Quando eu estiver pronto, eu também posso ser alfabetizado através da digitação. Posso aprender as letras, escrever e me comunicar com você utilizando a tecnologia. Ficarei feliz e serei eternamente grato por toda sua dedicação e empenho em me ensinar.

Carol Mota
Pedagoga
Mestra em Educacão, Culturas e Identidades — with Carol Mota.

Deixe seu comentário